29 junho 2007

Balas traçantes cruzam ruas e avenidas da Tijuca e do Rio Comprido

Guerra é entre os morros da Casa Branca e da Formiga e entre as favelas São Carlos e Querosene

Celso Brito - O Dia

Rio - Tiros de balas traçantes disparados por traficantes dos morros Casa Branca e Formiga, na Tijuca, na Zona Norte da cidade, assustaram os moradores da área, na madrugada desta sexta-feira.

Houve alerta da polícia quanto a quantidade de tiros que riscavam o céu. Os disparos estavam sendo feitos tanto da Casa Branca em direção à Formiga, quanto da Formiga em direção à Casa Branca, morros que são dominados por facções criminosas rivais.

Pouco antes, por volta da meia-noite, uma troca de tiros entre bandidos dos morros do Querosene e São Carlos, assustaram os moradores de parte da Tijuca e do Rio Comprido. A polícia foi acionada e os policiais que inicialmente foram informados de que os tiros partiam do Morro do Turano, constataram a existência da guerra entre o Querosene e o São Carlos.

Assustados, moradores da Rua Barão de Itapagipe e da Doutor Satamini, procuravam saber o que acontecia. A polícia recebeu informações de que um pesssoa teria sido baleada no confronto entre o São Carlos e o Querosene, mas nada foi constatado. Na Casa Branca e na Formiga não houve feridos.

Quatro jovens são mortos dentro de condomínio em Jacarepaguá

Polícia investiga se eles eram usuários de drogas. Um está internado em estado grave

Celso Brito - O Dia

Rio - A polícia ainda tenta identificar os dois homens que mataram, na noite desta quinta-feira, quatro jovens no inteior do condomínio Keciu Bandeirantes, na Estrada Marechal Miguel Salazar Mendes de Morais, 291, na Taquara, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio.

De acordo com a polícia, morreram no local Weber Santos Perdigão, 32 anos, Júlio César de Souza Ferreira, 22 anos, Renato Luiz Damasceno Romão, 22 anos, e Diogo Strzoda de Mattos, 20 anos.

Permanece internado em estado grave no Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, Zona Oeste, Sérgio Simões de Almeida Júnior, 25 anos.

Todos, conforme as investigações da polícia, seriam usuários de drogas e costumavam fazer algazarra na churrasqueira que fica nos fundos do condomínio.

De acordo com testemunhas, as vítimas estavam reunidas em uma pracinha do condomínio bebendo cerveja, quando os criminosos chegaram em uma moto não identificada. Segundo os relatos, os dois homens já chegaram atirando e não deram oportunidade de defesa para os jovens, a maioria deles atingida na cabeça. Os tiros foram disparos de pistolas calibre 380, conforme as cápsulas recolhidas junto aos corpos, pela polícia.

Uma moradora do condomínio, que se identificou apenas como ex-namorada de Weber Perdigão, disse que quem matou é do condomínio porque para entrar lá é preciso passar pela segurança e não há informações de invasão no local. Segundo ela, os quatro mortos e o jovem que encontra-se baleado não tinham qualquer envolvimento com bandidos.

O registro do caso foi feito na 32ª DP (Taquara).

Morre aposentado agredido em fila de banco

Salvador (BA) - O aposentado José Sérgio Fontes, 57 anos, agredido na fila de um banco em Salvador, na Bahia, teve morte cerebral nesta segunda-feira. A agressão foi registrada pela camêra de segurança de um supermercado.

Na última terça-feira, José levou um soco na cabeça ao tentar impedir que um homem furasse a fila no caixa eletrônico. O agressor é perito do IML e está detido na Corregedoria da Polícia Civil de Salvador.

As informações são do Terra

Professor é morto em frente a alunos em ginásio

Florianópolis (SC) - O professor de Educação Física Odair José Marcon, 32 anos, foi assassinado a tiros, na manhã desta quarta-feira, em um ginásio poliesportivo lotado de estudantes em Biguaçu, cidade da região metropolitana de Florianópolis (SC). Ele assistia com os alunos uma partida de futsal válida pelos jogos estudantis da cidade.

A equipe treinada por ele iria jogar no final da manhã, no mesmo ginásio, onde estavam cerca de 200 adolescentes no momento do crime.

Segundo informações do major Heriberto Perez, comandante do Batalhão de Polícia Militar de Biguaçu, o professor chegou por volta das 9h30 ao ginásio, acompanhado de vários alunos, e sentou-se na arquibancada.

Pouco depois, dois jovens encapuzados que estariam na parte superior se aproximaram e atiraram cinco vezes nas costas da vítima, com uma pistola 9 mm. Houve pânico e correria no local. Os dois criminosos conseguiram escapar em meio ao tumulto.

O professor morreu no local, antes mesmo da chegada do socorro. A polícia está investigando o crime e, segundo o major, Marcon não tinha envolvimentos com drogas e era considerada uma pessoa calma. O professor integrava a seleção de handebol da cidade de Florianópolis.

As informações são de Fabrício Escandiuzzi, do Terra

Luciano do Valle é assaltado em São Paulo

O Dia

São Paulo - A Polícia Militar deteve, nesta sexta-feira, o homem suspeito de ter roubado o celular e o relógio do jornalista Luciano do Valle. O assalto ocorreu na esquina das avenidas Rouxinol e Ibirapuera, em Indianópolis, Zona Sul de São Paulo.

A prisão ocorreu por volta das 12h35. De acordo com a Polícia Militar, a corporação foi acionada pelo telefone 190 logo após o crime. O denunciante informou que o suspeito, após o roubo, correu para a Rua Arapanés. No local, segundo os policiais, o ladrão foi encontrado com a arma falsa.

Falso agente de saúde dopa idosos para roubar

A Tarde

A morte do agricultor aposentado Humberto Emilio Vecchi, de 89 anos, na quarta-feira, em Cambé, a 400 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná, levou a polícia a alertar a população sobre um golpe que já foi aplicado pelo menos três vezes nas últimas semanas. Idosos têm sido procurados por supostos agentes de saúde, que lhes oferecem vacina contra gripe. Na verdade, a pessoa é dopada com medicamentos e a casa fica à disposição do bandido para roubar. "Recomendamos que essas pessoas mais idosas não recebam nada de estranhos", disse o delegado-chefe da 10ª. Subdivisão de Londrina, Sérgio Barroso.

No caso do idoso de Cambé, a vacina oferecida pelo estranho foi recusada, pois um vizinho avisou que no posto de saúde tinha o medicamento. Mas o suspeito insistiu dizendo que daria um chá. Ele saiu e voltou mais tarde, quando conseguiu que o idoso e uma filha, que sofre problemas mentais, tomassem o chá. A dose do tranqüilizante consumida por Vecchi foi excessiva. Sua filha salvou-se por ter tomado pouco. Ele foi encontrado caído na casa por uma vizinha, que acionou o socorro. O idoso morreu no hospital. O homem que ofereceu o chá, que tem entre 30 e 40 anos, teria furtado um aparelho de som e a carteira de dinheiro que estava no bolso de Vecchi.

Além do caso do aposentado que morreu em Cambé, que é apurado pela delegacia da cidade, a polícia do município vizinho de Londrina investiga outras duas ocorrências, em que não houve morte, mas as pessoas acabaram assaltadas. "Eles se aproveitam da boa-fé das pessoas, normalmente doentes e que precisam de ajuda", salientou Barroso. Ele pediu que, ao serem abordadas por pretensos agentes de saúde, as pessoas peçam identificação. Se houver dúvidas, que entrem em contato com o posto de saúde mais próximo.

25 junho 2007

Sem-terra de José Rainha invadem 15ª fazenda em São Paulo

da Folha Online

Dando continuidade às ações da "operação São João" ou "inverno quente", cerca de 200 famílias de sem-terra ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) de José Rainha Jr. invadiram na madrugada desta segunda-feira a 15ª fazenda desde quinta-feira, quando iniciaram a ofensiva contra o governo de São Paulo.

A invasão de hoje foi na Fazenda Estrela Laranja Doce, de 1.500 alqueires, nos municípios de Martinópolis (553 km a Oeste de SP) e Regente Feijó (556 km a Oeste de SP). A ação foi conjunta entre o MST e o Mast (Movimento dos Agricultores Sem Terra), e contou com apoio de sindicatos ligados à CUT (Central Única dos Trabalhadores).

Apesar de não ter participado da ocupação de nenhuma das 15 fazendas, José Rainha disse que a área invadida hoje está abandonada e improdutiva. "O local só tem umas bananeiras e umas cabeças de gado", afirmou o líder dos sem-terra.

A ofensiva dos sem-terra é um protesto contra o projeto de lei encaminhado pelo governador José Serra (PSDB) à Assembléia Legislativa de São Paulo que visa regularizar terras acima de 500 ha na região do Pontal do Paranapanema. Na avaliação dos sem-terra, a proposta beneficia os proprietários das áreas, em vez de beneficiar os trabalhadores rurais.

Para os sem-terra, a ação do tucano "legitima a grilagem de terra". Com as invasões, esperam que o governo recue e retire a proposta das mãos da Assembléia.

Outro ponto de reivindicação dos sem-terra é contra a "morosidade" do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em realizar acordos firmados com proprietários de terras para promover a reforma agrária na região.

Ivansões

As ações da "operação São João" ou "inverno quente" começou na madrugada de quinta-feira com a invasão de duas propriedades rurais em Araçatuba (530 km a oeste de SP). Os alvos dos sem-terra foram as fazendas Aracanguá (4,2 mil ha) e Araçá (2,6 mil ha).

No fim de semana as ações prosseguiram, e os sem-terra ocuparam mais 12 fazendas em nove cidades do interior paulista.

Tiroteio na Ilha fecha pista do Galeão e atrasa vôos da Ponte Aérea

Bando metralha delegacia e cabines da PM, rouba carros e invade casa. Três suspeitos são mortos.

Morro do Dendê está cercado. Bandidos atiraram em delegacia e cabines da PM .

O Dia

Rio - A manhã desta segunda-feira foi de bastante tensão na Ilha do Governador, Zona Norte. Bandidos fizeram disparos contra a delegacia do bairro e contra duas cabines da Polícia Militar. Eles ainda roubaram carros e um chegou a invadir uma casa durante a fuga. Toda a área foi cercada e o Morro do Dendê, de onde seriam os criminosos, ocupado. Três bandidos morreram, um foi preso e um está foragido. Em razão dos tiroteios, um homem e uma mulher foram feridos.

Por causa dos confrontos, uma pista do aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), na Ilha, foi fechada durante o período da manhã e os aeroportos de São Paulo alteraram o esquema de decolagens para o aeroporto. A Aeronáutica não informou quanto tempo os trabalhos no aeroporto ficaram prejudicados.

De acordo com a Infraero, porém, não houve fechamento parcial do aeroporto nem suspensão das decolagens. A Aeronáutica também informou que os vôos da ponte aérea Rio-São Paulo não foram suspendos e saíram com atrasos do aeroporto Santos Dumont, na capital fluminense, por causa do mau tempo.

Em nota, a Aeronáutica disse que o tiroteiro "interrompeu a operação em uma das pistas" do Galeão e, por isso, houve um "gerenciamento de fluxo nas aeronaves da Ponte Aérea".

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, também confirmou que o motivo da alteração na escala de vôos foi o tiroteio na Ilha do Governador, rota dos vôos que chegam ao Galeão.

De acordo com o último balanço da Infraero, dos 838 vôos programados em todo o País até o meio-dia, 66 sofreram atrasos superiores a uma hora e 35 foram cancelados.

Ataque a delegacia e arrastão

Os ataques começaram por volta das 9h. Ocupantes de dois carros atiraram contra a 37ª DP (Ilha do Governador) e fugiram. Uma mulher identificada como Marcia Cristina levou um tiro de raspão na cabeça. Ela estava em um prédio comercial das proximidades. O empresário Bruno Ludovico, 47 anos, teve o vidro do carro atingido por um tiro e foi ferido por estilhaços. Os dois foram socorridos e medicados.

Após o ataque à delegacia, os criminosos roubaram carros na Estrada do Dendê e em outras ruas. A PM já começou a recuperar os veículos roubados, que estão sendo reunidos na porta do batalhão da Ilha, por ordem do comandante Célio da Silva.

O bando então atirou contra duas cabines da PM. Houve perseguição e intenso confronto. Prédios, estabelecimentos comerciais e carros ficaram com marcas de tiros. Dois bandidos morreram na hora, um foi preso dentro de um prédio na Rua Haia e um conseguiu fugir. Um outro que estava baleado chegou a invadir uma casa na Rua Sena, que liga a Praia da Rosa à Estrada do Dendê, na Ilha, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Nenhum morador ficou ferido.

Policiais do Grupo de Ações Táticas (GAT) do 17º BPM (Ilha do Governador) e homens da Polícia Civil realizam operação no local para capturar o criminoso que conseguiu fugir.

Leia a nota da Aeronáutica na íntegra:

O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica esclarece que, hoje pela manhã, a informação de um tiroteio nas proximidades do Aeroporto do Galeão interrompeu a operação em uma de suas pistas.

Isso fez com que os órgãos de controle efetuassem um gerenciamento de fluxo nas aeronaves da Ponte Aérea.

Concomitantemente, devido às condições meteorológicas, o aeroporto Santos-Dumont operava por instrumentos, o que contribuiu para que a distância entre as aeronaves fosse aumentada.

Diferentemente do que alguns órgãos de imprensa divulgaram, as decolagens de São Paulo não chegaram a ser suspensas.

Até o momento, não há registros de qualquer restrição de controle de tráfego aéreo no país, segundo o relatório do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea.

Brig Ar ANTONIO CARLOS MORETTI BERMUDEZ
Chefe do CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA AERONÁUTICA

23 junho 2007

Perseguição e troca de tiros em rodovia de Itaboraí

Celso Brito – O Dia

Rio - Policiais do 35º BPM (Itaboraí) perseguiram e trocaram tiros com ocupantes do Santana Quantum vermelho KQE-4035, de Petrópolis, na madrugada desta terça-feira, na Rodovia Manilha-Duques, em Itaboraí, na Região Metropolitana.

Durante a troca de tiros, os bandidos jogaram três granadas e uma delas, de fabricação caseira, não explodiu. Ficou jogada às margens da rodovia no Km 283 e foi recolhida por uma equipe do Esquadrão Anti-Bomba da Polícia Civil, acionado para o local.

De acordo com os policiais, os bandidos tinham acabado de abandonar um cadáver na Estrada do Pico, que é paralela à Manilha-Duques, mas na fuga se depararam com a viatura da Supervisão de Oficial do batalhão de Itaboraí.

Depois de interceptados, três homens conseguiram fugir atirando, mas o quarto ficou no veículo e disse ser o proprietário. Ele contou que estava voltando do trabalho e foi abordado pelos bandidos que o obrigaram a transportar o cadáver no porta-malas até a Estrada do Pico e depois levá-los para um local desconhecido. Segundo a polícia, o Santana Quantum ficou perfurado de tiros.

Jovem tenta assaltar a casa de um policial e acaba preso na Baixada

Celso Brito – O Dia

Rio - Policiais do 21º BPM (São João de Meriti) prenderam em flagrante, na noite desta segunda-feira, Admilton Souza de Oliveira, 20 anos.


Ele foi flagrado, armado com um revólver calibre 38, quando tentava assaltar a casa de um policial militar reformado na Avenida do Comércio, no Jardim Metrópole, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.


De acordo com a polícia, Admilton estava acompanhado de um cúmplice que conseguiu fugir, mas na fuga deixou cair uma réplica de pistola Bereta calibre 9mm. As armas foram levadas para a 54ª DP (Belford Roxo), juntamente com o preso.

Rapaz é espancado após tentativa de assalto em Realengo

Celso Brito – O Dia

Rio - Carlos Roque Matos, 21 anos, foi encontrado pela polícia muito ferido, na noite desta segunda-feira, na esquina das ruas Limite e Governo, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Ele foi socorrido por bombeiros e levado para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, onde ficou internado.


Conforme informações colhidas pela polícia, Carlos Roque foi espancado por um grupo de populares revoltados, após ele tentar assaltar um taxista. O motorista do táxi reagiu e se atracou com o acusado, ainda com o carro em movimento.


No local, o carro bateu em um poste e as pessoas que correram para socorrer as vítimas, ao tomar conhecimento do que acontecia, agrediram Carlos Henrique e o abandonaram ferido.


O registro do caso foi feito na 33ª DP (Sulacap).

22 junho 2007

Tráfico faz ‘licitação’ de pó

Saulo da Rocinha ofereceu prioridade a fornecedor que conseguisse entregar maior quantidade da droga. Ele estava preocupado com aumento do consumo
durante o Pan

Leslie Leitão – O Dia

Rio - O processo é como uma espécie de licitação. O traficante Saulo de Sá Silva, o ex-carteiro que virou o ‘Barão do Pó’ da Rocinha, fez contatos com seus fornecedores e propôs: quem conseguisse fazer chegar às suas mãos 50 quilos de pasta-base (cocaína com grau de pureza de quase 100%) de uma só vez teria a prioridade na hora de abastecer a favela, a maior favela da América Latina. O traficante queria, com essa tática, fortalecer as bocas-de-fumo durante os períodos que, no seu planejamento, seriam os mais importantes de 2007. Entre eles, os Jogos Pan-Americanos, que começam dia 13 de julho.

As investigações das polícias Civil e Federal indicam que até meados de outubro do ano passado, cada remessa que chegava para Saulo tinha entre 9,5 quilos e 10 quilos da droga. Ele queria mais. As festas de fim de ano, o verão e o Carnaval estavam chegando. Em seguida, viria a atração principal da cidade, num período em que são esperados, segundo o Ministério do Turismo, 600 mil turistas: “O Pan está chegando, isso aqui vai encher de gringo”, costuma repetir o traficante.

FORNECEDOR DE ARMAS

Robinho, como também passou a ser chamado, tem, segundo a polícia, um perfil de bandido avesso à violência: “Ele age como um ‘empresário do pó’”, analisa um dos investigadores. As informações obtidas durante esse período de um ano e meio de caça ao traficante — que fugiu da Polinter em dezembro de 2005 — indicam isso.

Saulo montou um laboratório próprio de refino da pasta-base de cocaína, contratou um químico e traçou outra meta. Convencer o chefão da Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, a deixá-lo comercializar com traficantes do Comando Vermelho. O lucro triplicado foi o melhor argumento de convencimento. Nem autorizou. E a conexão com o Morro do Turano foi a primeira a ser ativada, através de seu irmão, Cristiano de Sá Silva, o Abelha, preso em Bangu 3 junto com Ocimar Nunes Robert, o Barbosinha, que comanda a favela do Rio Comprido: “Acreditamos que o Saulo, na verdade, jamais deixou de comercializar com o Turano. Afinal, há mais de dez anos ele já fornecia maconha para o CV”, afirma um outro inspetor da Polícia Civil.

Suas relações estreitas com fornecedores nas fronteiras do Brasil facilitaram a expansão dos negócios. Da divisa com o Paraguai, ele continuou trazendo maconha hidropônica (um tipo mais forte da erva). Mas descobriu que também poderia ganhar dinheiro com o contrabando de armas. Levantamento da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae) aponta Saulo como um dos principais fornecedores de armas e munições do Rio de Janeiro atualmente.

Semana passada, agentes da própria Drae, em conjunto com a Polícia Federal, apreenderam uma bazuca (avaliada em R$ 40 mil) que teria a Rocinha (leia-se Saulo) como destino.

MULHER DE SAULO FEZ HOMENAGENS A BANDIDOS NO ORKUT

Nos próximos dias, a mulher do traficante Saulo de Sá Silva, identificada como Fabiana, deverá prestar depoimento em um inquérito da 15ª DP (Gávea), que investiga o tráfico na Favela da Rocinha. Bibi Perigosa, como se identifica no Orkut, terá de dar explicações sobre as fotos que expôs no site de relacionamentos, em que exibe, inclusive, uma pequena fortuna em notas de R$ 100.

Entre as mais de 4 mil mensagens recebidas em sua página pessoal, ela também deixa vazar o segredo que tentava manter, quase sempre escondendo o nome do marido. Uma declaração de amor pintada na Curva do S para o Dia dos Namorados, por exemplo, figura no álbum de fotos da jovem: “Quem não sabe não precisa saber o nome do dito cujo’’, explica ela na legenda, para o fato de ter colocado Robinho, em vez de Saulo, no texto apaixonado.

Suas comunidades também revelam algo mais: ‘Nós amamos o Saulinho, e VC?’ e ‘Eu amo um Saulo’ são algumas delas. A outra: ‘Os bandidos são os + gostosos’. Aliás, no Orkut Fabiana também expressa a saudade de outros dois traficantes já mortos: Erismar Rodrigues Moreira, o Bem-Te-Vi, ex-chefe da Rocinha, e Ronaldo Ferreira do Nascimento, ex-líder da Vila dos Pinheiros.

Numa comunidade criada para o bandido (‘Mocotó eternamente’), a mulher de Saulo deixou testemunho: “Podem até ter arrancado você da gente, mas jamais poderão tirar as lembranças que tenho na mente e no coração. Saudades para sempre”, declarou Bibi.

Caminhoneiro é libertado em Itaboraí após 17 horas de seqüestro

Camille Siston – O Fluminense

Após 17 horas em poder de bandidos, o caminhoneiro Jarbas de Almeida, de 35 anos, foi libertado na noite desta sexta-feira, em Itaboraí. Ele havia sido interceptado na Rodovia Presidente Dutra, altura de Paracambi, na Baixada Fluminense, enquanto transportava três bobinas de ferro em uma carreta Mercedes Benz, placa KUR 2225 (RJ), que saiu de Angra dos Reis com destino a São Paulo.

Por volta das 2 horas de sexta-feira, Jarbas foi cercado por uma Blazer, com quatro elementos, que vendaram o rosto do motorista e o deixaram amarrado na cama adaptada na carreta. Toda a carga foi levada. Somente às 19 horas Jarbas conseguiu se soltar e dirigiu-se à 71ª DP (Itaboraí).

De acordo com os policiais da distrital, o caminhoneiro não foi agredido fisicamente, mas estava muito nervoso. Segundo um profissional do ramo, estima-se que a carga roubada é equivalente a 26 toneladas de ferro.

Militar da Aeronáutica leva tiro em tentativa de assalto em Alcântara

Amanda Pinheiro – O Fluminense

Um militar da Aeronáutica foi baleado no ombro depois que três homens tentaram roubar seu carro numa rua de Alcântara, em São Gonçalo, na noite desta sexta-feira. Segundo testemunhas, a vítima teria arrancado com o veículo no momento da abordagem. Ele foi levado para o Hospital Estadual Alberto Torres e depois para o Hospital da Aeronáutica, no Rio. O caso seria registrado na 74ª DP (Alcântara).

DPO do Caramujo sofre suposto ataque de criminosos

Larissa Lima – O Fluminense

Uma suposta tentativa de ataque ao Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) do Caramujo, no início da manhã dessa segunda-feira, o que não foi confirmado por policiais militares lotados no posto, deixou os moradores da localidade aterrorizados. A ação, que aconteceu por volta das 6h, assustou quem passava perto do DPO para trabalhar e deixou quatro projéteis de bala espalhados pela rua.

Policiais do 12º BPM (Niterói) disseram que o único registro de tiroteio nas redondezas ocorreu durante a madrugada de hoje, quando apreenderam duas pistolas que seriam de supostos traficantes que deixaram cair enquanto fugiam.

Mulher é executada dentro de casa em frente ao filho em Niterói

Roberta Fernandes – O Fluminense

Cícera Teixeira da Silva, idade não informada, foi morta no início da madrugada desta segunda-feira, dentro da sua casa, na Rua Vitória, em Monan, Niterói. Seu filho, Laudecir Teixeira da Silva, e uma criança de dois anos, que estavam na residência, ficaram feridos. Ambos foram socorridos e levados para Hospital Mário Monteiro, na Região Oceânica. Ainda não há informações sobre o estado de saúde das vítimas.

De acordo com informações da 79ª DP (Charitas), onde o caso foi registrado, o crime aconteceu por volta da 00h15min, quando dois homens encapuzados invadiram a casa de Cícera e efetuaram os disparos. Mesmo ferido, Laudecir esperou que os bandidos saíssem e foi em direção ao DPO da região, onde acionou a PM. A polícia agora investiga possíveis causas do crime.

Engenheiro é atingido em posto a 2 km de tiroteio em favela

Rio - Confronto entre traficantes e PMs no Morro da Fé, na Penha, faz mais uma vítima de bala perdida no Rio. O engenheiro Ailton Lopes Moreira, 53 anos, morreu no fim da manhã de ontem, com um tiro de fuzil no peito, quando abastecia o carro no posto Forza na Avenida Meriti, 2.840, ao lado do Shopping 3000, na Vila da Penha. O tiro, segundo peritos, partiu da troca de tiros entre a polícia e traficantes. A distância entre o local de disparo e o posto de gasolina onde a vítima se encontrava é de 2 Km. O projétil percorreu as principais avenidas da Penha, além de outras ruas, até atingir o engenheiro, que tinha acabado de sair de seu Siena para entregar o cartão que pagaria o combustível.

Durante o confronto da Penha, um traficante morreu. Os PMs foram até o local após moradores denunciarem que os traficantes teriam montado barricadas na Rua Maturacá.

No acesso à Favela da Grota, as tropas da Força Nacional foram alvos de dois ataques. Por volta das 12h, bandidos atiraram duas bombas em direção aos policiais, que reagiram dando tiros para o alto. Às 14h, traficantes dispararam contra uma guarnição na Rua Joaquim de Queirós. Os policiais revidaram. “Reagi mesmo, não quero morrer”, disse um dos guardas. As ameaças do tráfico deixaram toda a tropa tensa. A todo momento, o chefe da operação transitava pelos 24 pontos no complexo onde há patrulhamento da FNS para se informar sobre problemas.

Soldados em perigo

Bando tentou invadir base militar para roubar fuzis e pistolas

Francisco Édson Alves e Mario Hugo Monken

Rio - Pelo menos 20 bandidos tentaram invadir ontem, por duas vezes, uma base da Força Nacional de Segurança (FNS) instalada na sede do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), na Avenida Brasil, altura de Parada de Lucas. Não houve feridos.

Segundo relatos de guardas, os invasores chegaram a gritar que queriam fuzis e pistolas. O primeiro ataque ocorreu por volta das 1h30 de domingo. Cerca de dez bandidos, em cinco carros pularam o muro do DNIT, dispararam tiros e atiraram bombas contra os guardas, que reagiram e conseguiram espantar os criminosos. Balas traçantes foram vistas nas imediações. Os policiais pediram reforço de integrantes do Batalhão de Pronta Resposta (BFR), mas o auxílio demorou a chegar.

O segundo ataque aconteceu por volta das 3h. Segundo integrantes da tropa, desta vez havia pelo menos o dobro do número de bandidos. O BFR foi novamente acionado e enviou 25 homens. Houve troca tiros e os invasores fugiram. O som dos disparos e das explosões deixou os moradores da região em pânico, mas, com medo de represálias, evitaram comentar o confronto. As assessorias de imprensa do Exército e da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) informaram que desconhecem o assunto.

Tropa estaria sob ameaça de punição

Soldados alojados no 24º BIB (Batalhão de Infantaria Blindada) estariam sendo ameaçados de punição pelo comando da FNS. O motivo seriam as denúncias publicadas pelo DIA sobre as condições degradantes do local onde está boa parte dos 2 mil policiais da FNS que já chegaram ao Rio para o Pan. No 24º BIB, além de dormirem em meio a ratos e escorpiões, os policiais sofrem com tiros disparados com freqüência por traficantes da vizinha Favela da Maré. “Vários companheiros estão sofrendo pressões do comando. Eles acham que as fotos foram feitas por algum de nós”, disse um soldado.

Criminoso fere seis jovens a tiros em quermesse na Grande SP

da Folha Online

Seis jovens com idades entre 12 e 18 anos foram feridos a tiros, por volta das 22h de domingo (17), durante uma quermesse realizada em Carapicuíba (Grande São Paulo).

Testemunhas disseram à polícia que os tiros foram disparados por um ocupante de um Gol branco, que atirou para o alto e em direção às vítimas, na rua Madalena Gutierez Conceição, Vila Silviânia. Outras quatro pessoas estariam no veículo.

Os feridos foram encaminhados a hospitais da região e não correm risco de morte, de acordo com a SSP (Secretaria da Segurança Pública). A polícia investiga o caso e tenta localizar os criminosos.

No Rio, franceses são vítimas de tentativa de roubo

DA SUCURSAL DO RIO - FOLHA DE SÃO PAULO

Dois franceses foram vítimas de uma tentativa de roubo em Ipanema, zona sul do Rio. Policiais militares que passavam pelo local anteontem à noite trocaram tiros com os ladrões. Um dos bandidos foi atingido por quatro tiros.

A tentativa de roubo ocorreu na esquina da rua Visconde de Pirajá com a rua Vinícius de Moraes, uma das mais movimentadas do bairro.

Policiais do serviço reservado do 23º BPM (Leblon) que passavam pelo local perceberam a ação dos bandidos e tentaram evitar o roubo. Os bandidos reagiram, e houve tiroteio.

Sérgio Teixeira da Silva, 18, apontado pela polícia como um dos bandidos, foi atingido por quatro tiros. Ele foi submetido a uma cirurgia no abdômen e permanecia internado até a conclusão desta edição no hospital Miguel Couto, na Gávea (zona sul).

Os dois turistas, Thierry Marie Pierre Reinauld, 24, e Axel Gregório Adenet, 24, não foram atingidos pelas balas.

Embaixada sugere a turista reservar R$ 50 para ladrão

DA REDAÇÃO – FOLHA DE SÃO PAULO

O temor da violência no Brasil levou a Embaixada Francesa a criar uma lista com recomendações de segurança para os turistas que vêm ao país. A relação está na versão em francês do site da embaixada na internet.

Entre as orientações está reservar R$ 50 para o ladrão em caso de assalto. Há, ainda, sugestões sobre como proceder após uma agressão, além de informações específicas sobre a violência em Brasília, São Paulo, Recife e no Rio.

Na seção reservada a São Paulo, por exemplo, aparecem como "zonas de risco" as praças da Sé e da República e o entorno da estação da Luz, todas na região central. À noite, andar em qualquer bairro da cidade requer prudência, informa o site.

À Folha, em abril, quando a listagem foi noticiada, a embaixada informou que a lista não é exclusividade do Brasil -segundo o órgão, ela é elaborada para todos os países do mundo.

Até o crime de anteontem, quatro franceses haviam sido assassinados no Brasil em 2007, todos no Rio.

Soldado é baleado no rosto ao tentar impedir roubo de fios em Santa Cruz

Carla Marques – O Dia


Rio - O soldado Márcio Matos da Silva foi baleado de raspão no rosto, na madrugada desta segunda-feira, ao tentar impedir furto de fiação elétrica na Rua Cesário de Melo com Rua Pistóia, em Santa Cruz, Zona Oeste.


Às 4h20, o policial militar supreendeu os dois ladrões, que reagiram com disparos. O serviço reservado do 27º BPM (Santa Cruz) acredita que os bandidos sejam das favelas Três Pontes ou do Aço, que ficam nas cercanias.


A vítima foi levada ao Hospital Pedro II, em Santa Cruz, e aguarda transferência para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio. A PM faz rondas na região atrás da dupla. O caso foi registrado na 36ª DP (Santa Cruz).

Chacina da Baixada: gabinete de promotor é atacado a tiros

Rio - O gabinete do promotor de Justiça Marcelo Muniz, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, foi atacado a tiros na manhã desta segunda-feira. Muniz é o promotor responsável pelo caso da chacina da Baixada, ocorrida na noite de 31 de março de 2005, quando 29 pessoas foram mortas nas cidades de Queimados e Nova Iguaçu.


Segundo informações da Globonews, as janelas do gabinete ficaram destruídas. Muniz já havia sido vítima de outros atentados desde que assumiu o caso.


As informações são do Terra

Quatro jovens são confundidos e espancados por traficantes do Vidigal

Eles foram socorridos no Hospital Miguel Couto, onde a segurança foi reforçada

Michel Alecrim – O Dia


Rio - Houve reforço policial, na madrugada desta segunda-feira, no Hospital Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul, por conta da entrada de quatro jovens feridos do Morro do Vidigal, em São Conrado, na Zona Sul.


Segundo a polícia, eles não foram atingidos por balas, mas espacados por bandidos do morro que os teriam confundido com traficantes rivais. Eles estariam em um jogo de futebol quando apanharam. Não foram informados os nomes, mas a polícia checou que nenhum tinha passagem.

Quadrilha do Morro dos Macacos atirou no dono do jornal ‘O Povo’

O Dia

Rio - A polícia já identificou um suspeito de participação na tentativa de assalto ao empresário Alberto Ahmed, dono do jornal ‘O Povo’, domingo à noite, no Grajaú. O nome do criminoso não foi revelado para não atrapalhar as investigações, mas ele integra quadrilha do Morro dos Macacos, em Vila Isabel.


“Essa quadrilha é a mais atuante da região e costuma escolher um dia da semana para roubar vários carros de uma vez”, disse um policial da 20ª DP (Vila Isabel), que investiga o caso.


Ahmed permanece internado no Hospital Italiano, no bairro, e pode deixar a unidade amanhã. O seu quadro de saúde é estável. Ele foi atacado por quatro homens quando passava pela Rua Caruaru em seu Mitsubishi, por volta das 21h. Ao tentar fugir, foi atingido nos dois braços por um único tiro e teve carteira com documentos, dinheiro e talão de cheques roubada.


“Infelizmente já estamos acostumados com a violência. Não ficamos mais tão assustados quanto deveríamos. Ainda bem que o tiro pegou no braço e o pior já passou”, comentou André Lamarão, genro de Ahmed.


Policiais estiveram à tarde no hospital com o empresário, que disse não ter condições de reconhecer os bandidos porque a ação foi muito rápida. Os agentes vão procurar testemunhas do crime na rua. O carro de Ahmed será periciado.


Reclamações de moradores


Embora surpresos com o ataque, moradores do Grajaú reclamam da falta de segurança. “Moro aqui há seis meses e há três tive o carro roubado na porta do meu prédio. Um mês depois, aconteceu o mesmo com o meu cunhado: estacionou o carro e quando acordou, não o viu mais.
Toda hora tem gente roubada por aqui”, disse o guardião de piscina Daniel de Souza Pimentel, 27 anos, morador da Rua Marechal Jofre. Segundo a PM, o patrulhamento no bairro conta com 18 policiais.

Empresário morto por caseiro na Barra

Por causa de dívida de R$ 50, assassino matou patrão com golpes de foice e faca. Depois, jogou ácido no corpo da vítima

Mario Hugo Monken – O Dia


Rio - O empresário Wladimir Francisco Manfrim, 68 anos, foi assassinado a facadas e golpes de foice na noite de quinta-feira em sua casa, na esquina da Estrada do Joá com Avenida Fleming, Barra da Tijuca.


Anderson Silva de Almeida, 29, que trabalhava como caseiro na residência da vítima, foi preso sob acusação de ter cometido o crime. Segundo o delegado Carlos Augusto Nogueira Pinto, titular da 16ª DP (Barra), Anderson matou Wladimir por causa de dívida de R$ 50.


Ainda de acordo com o policial, os dois começaram a se desentender depois que Wladimir não pagou serviço feito por Anderson. Na noite de quinta-feira, o acusado foi cobrar a dívida de R$ 50 e levou uma garrafa com ácido. Eles discutiram e lutaram. Usando faca e foice, Anderson desferiu vários golpes em Wladimir até matá-lo. Em seguida, jogou ácido no corpo da vítima e fugiu.


O empresário foi encontrado morto por amigo no sábado. Como Wladimir não apareceu em encontro que havia marcado com o colega, sexta-feira, no Centro, ele resolveu telefonar. Sem conseguir falar com o empresário, foi à sua casa. Ao chegar lá, achou o corpo e chamou a polícia.


ACHADO PELOS DENTES


A 16ª DP só revelou o crime ontem, depois que prendeu Anderson. Os investigadores chegaram até o acusado porque acharam três dentes na casa da vítima e Anderson estava sem eles, perdidos na briga com o empresário. Segundo a polícia, Anderson foi preso perto da delegacia e confessou o assassinato.


Vizinhos de Wladimir contaram que, na noite do crime, chegaram a ouvir gritos de socorro. Na casa do empresário, havia 50 gramas de cocaína, que seriam consumidos pelo suspeito.


Casa de 3 andares e problemas financeiros


Wladimir trabalhava com a venda de peças de informática e possuía uma empresa do gênero em Cascadura, na Zona Norte do Rio. Separado, ele morava sozinho na casa, de três andares, onde foi morto. A vítima, que vivia no local há mais de 30 anos, deixou dois filhos.


De acordo com moradores do local, o empresário mantinha pouco contato com os vizinhos, recebia muitas mulheres na sua residência e estaria passando por problemas financeiros.


O acusado de ter cometido o crime era bastante conhecido nas redondezas. Segundo moradores da área, Anderson tomava conta de veículos na região e nunca levantou suspeitas.
Ele já teve passagem por roubo na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

17 junho 2007

Cabos da Marinha são presos por seqüestrar e matar outro militar na Região dos Lagos

Celso Brito - O Dia

Rio - Os cabos da Marinha Flávio Ronier de Oliveira da Cruz, 26 anos, e Juliano de Oliveira França, 25 anos, foram presos entre a tarde de quarta-feira e a madrugada desta quinta-feira, na Região dos Lagos, junto com Alex Alves de Oliveira, 26 anos.

Os três são acusados de seqüestrar e matar outro cabo da Marinha, que foi vítima de um seqüestro-relâmpago a cerca de 10 dias e encontrava-se desaparecido.

A vítima foi seqüestrada e levada para o cativeiro, na Rua José Carlos de Oliveira, número 8, no Morro do Milagre, em São Pedro da Aldeia, onde moram os dois militares seqüerstradores, para que a quadrilha fizesse saques em sua conta bancária, mas reagiu e foi assassinada. A família registrou o desaprecimento da vítima na 125ª DP (Aão Pedro da Aldeia).

O caso está sendo investigado pelo Serviço de Inteligência da Polícia Militar, agentes do Serviço de Investigação da Marinha, policiais das delegacias de São Pedro da Aldeia e de Cabo Frio e da Delegacia de Homicídios.

Os policiais tentam prender uma quarta pessoa suspeita de envolvimento na quadrilha, apontada como responsável por uma série de seqüestros ocorridos nos últimos dias em São Pedro da Aldeia e Cabo Frio.

O cabo Flávio confessou aos policiais que seqüestrou e matou seu colega de farda, mas os dois outros presos negam. Há dias o cabo Juliano tinha registrado queixa de furto da Parati de sua propriedade, usada nas ações do bando, mas o carro foi encontrado pela polícia na casa dele.

A polícia ainda não confirmou o fato, mas há informações de que outro militar foi vítima da quadrilha e foi poupado pelos seqüestradores porque não reagiu. Os bandidos teriam retirado da conta do militar todo o dinheiro.

Os três presos foram levados para a 126ª DP (Cabo Frio), onde estão concentradas as investigações sobre a atuação da quadrilha.

Tropa que veio defender o Rio do tráfico em condições precárias

Agentes da elite da Força Nacional estão alojados em quartel do Exército cheio de ratos e de insetos, sem camas nem armários, com reboco caindo do teto e cheiro
de mofo

Francisco Edson Alves - O Dia


Rio - Dormitórios superlotados, sem camas ou colchões; forte odor de mofo no ambiente; pedaços de reboco, aranhas e até escorpiões que caem do teto; roupas penduradas em varais improvisados; ratos e baratas por todos os lados; quentinhas que chegam em caixas de papelão sujas; falta de água potável; banheiros sem portas e com vasos sem tampas. Não se trata de nenhum presídio. É assim que estão alojados os 250 integrantes, sendo 17 mulheres, do Batalhão de Pronta Resposta (BPR), a tropa de elite da Força Nacional de Segurança (FNS), no antigo 24º Batalhão de Infantaria Blindada (BIB), em Ramos.

Fotos obtidas por O DIA mostram as condições degradantes em que os policiais estão abrigados no quartel de 220 mil metros quadrados, desativado pelo Comando Militar do Leste (CML) em 2004. “Além de sermos tratados como bichos, ainda somos humilhados por traficantes da área, que diariamente fazem disparos em direção ao batalhão para nos intimidar. O estresse é constante”, desabafa um agente, referindo-se a bandidos do vizinho Complexo da Maré.


PERFURAÇÕES


Segundo os policiais, a ordem é para que só andem armados com fuzis no interior da unidade. Nos muros e nas guaritas, onde sentinelas ficam 24h, há dezenas de marcas de balas de grosso calibre. Numa das cabines, a que fica voltada para a Avenida Almirante Frontin, há cerca de 10 perfurações.


Como nas cadeias, os agentes da FNS se revezam para dormir à noite nos três alojamentos, apelidados de “ratolândias”. “Alguns ficam encarregados de não deixar que ratos se aproximem dos colchonetes, sacos de dormir e papelões, usados como camas.

Outros chegam a armar barracas de camping para evitar ataques de animais, como aranhas e escorpiões, encontrados com freqüência, e para proteger a cabeça de pedaços de rebocos que caem do teto”, detalha outro policial.


Sem mesa, os agentes costumam fazer as refeições sentados no chão. Muitos recusam a comida oferecida e comem apenas macarrão instantâneo com sardinha. “Não temos frutas, verduras ou legumes. As quentinhas chegam com gosto azedo. O almoço só sai entre 14h e 15h e o jantar, sempre entre meia-noite e 1h. Água para beber, cada um tem que comprar suas garrafas”, lamenta um dos agentes.


O coordenador de Segurança da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), José Hilário Medeiros, reconheceu ontem que “existem alguns problemas” no 24º BIB. “Mas tudo está sendo resolvido, de acordo com prazos que estão sendo rigorosamente cumpridos. Já estamos comprando camas, por exemplo”, assegurou.


Quanto às ameaças de traficantes, Hilário disse que o quartel foi escolhido de forma estratégica. “Além disso, estamos atendendo apelos da comunidade, que quer a presença da Força Nacional naquela região”, justificou o coordenador.


Exército reconhece problemas


O próprio comando do Exército reconhece que o 24º BIB necessita de manutenção, assim como o 21º Grupo de Artilharia de Campanha do Rio de Janeiro e o 3º Batalhão de Infantaria de Niterói, também cedidos à FNS, mediante contrato com a Senasp. “As unidades que eram sediadas nesses locais foram transferidas ou desativadas”, justifica nota do setor de relações-públicas. Os policiais abrigados no 24º BIB — desativado por falta de segurança — são do Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Amazonas, Santa Catarina e Bahia.


A menos de um mês dos Jogos Pan-Americanos, pouco mais de dois mil soldados da FNS — um terço do número previsto — já chegaram ao Rio. “Os outros quatro mil virão de forma gradativa, obedecendo a um calendário, que não está atrasado”, garantiu Hilário. Ele disse que os seis mil agentes ficarão alojados em quartéis.


Desde janeiro, quando as tropas da FNS começaram a chegar ao Rio, o Ministério da Justiça já gastou cerca de R$ 10 milhões só com o pagamento de diárias. Além do salário, entre R$ 1 mil e R$ 1.200, cada agente recebe R$ 125 de diária.


A falta de planejamento para hospedagem dos policiais em quartéis do Exército foi uma das críticas feitas pelo ex-comandante da FNS, coronel Aurélio Ferreira, antes de ser substituído pelo coronel Luiz Antônio Ferreira. A Senasp informou que Ferreira não pode dar declarações.


MATO E ÁGUA PARADA


Tomada por matagal, a área interna do extinto 24º BIB tem uma piscina, que, sem uso, teria virado criadouro do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. “Vários agentes contraíram a doença nas últimas semanas”, garantiu um soldado, ressaltando que outros companheiros também estariam com problemas de pele e respiratórios por causa das instalações precárias.


A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde informou que este ano já foram registrados 110 casos de dengue na região. A secretaria não confirmou, porém, se há soldados da FNS com a doença, alegando que não pode dar informações sobre casos isolados.

Bandidos assaltam apartamento em Icaraí

O Fluminense

A precariedade no policiamento em Icaraí, Zona Sul de Niterói, fez mais uma vítima na noite desta quarta-feira. Bandidos arrombaram a porta de um apartamento, na Rua Otávio Kelly, e roubaram uma TV, além de R$ 100 em dinheiro. Os moradores não estavam no local no momento do furto. O caso foi registrado na 77ª DP (Icaraí).

Casa em Camboinhas é arrombada e saqueada durante madrugada

Larissa Lima – O Fluminense

Uma casa na Rua 50, lote 7, quadra 295, em Camboinhas, Região Oceânica de Niterói, foi arrombada, na madrugada desta quinta-feira, por ladrões ainda não identificados.

Os bandidos levaram uma TV de plasma de 42 polegadas, som, cinco garrafas de vinho e eletrodomésticos em geral. De acordo com a dona da residência, que preferiu não se identificar, os ladrões deixaram uma TV de 29 polegadas e dois ventiladores próximos a janela com a intenção de voltar para buscar estes aparelhos. A dona da casa de veraneio, que mora em Caxias, na Baixada Fluminense, acredita que o prejuízo seja em torno de R$ 6 mil.

Esta é a segunda vez que a casa é arrombada no período de 13 anos. O caso foi registrado na 81ª DP (Itaipu) e a ocorrência será levada para constatação, já que a residência está localizada dentro de um condomínio.

Força Nacional ocupa favelas na Zona Norte e tiroteio com traficantes fecha comércio

Sérgio Soares – O Fluminense

Depois de 43 dias de operações em favelas da Zona Norte do Rio, a polícia ampliou o número de homens para essas atividades e aumentou a área de atuação. Os "alvos" continuam sendo as favelas dos complexos da Penha e do Alemão. A região foi ocupada ontem por 450 policiais, 150 deles da Força Nacional de Segurança. Outros 300 PMs de 17 batalhões do Rio também foram usados na Operação, batizada de Cerco Amplo. Moradores denunciaram supostos abusos dos policiais, que chegaram a revistar crianças e até a bolsa do fotógrafo de um jornal diário do Rio.

De acordo com o subsecretário de Integração Operacional, Roberto Sá, a nova estratégia da polícia é parte da segunda etapa do planejamento de ocupação da Vila Cruzeiro, o principal reduto do Comando Vermelho. A favela é contígua ao Complexo do Alemão, de onde partem os reforços que têm mantido a violenta resistência do tráfico à polícia nos últimos dias. Os confrontos já deixaram 17 mortos e 65 feridos.

A decisão foi tomada na noite de segunda-feira, numa reunião do secretário José Mariano Beltrame e da cúpula da segurança com o governador Sérgio Cabral Filho. Naquele dia, o comandante da PM, coronel Ubiratan Ângelo, teve de encerrar às pressas um encontro com diretores de escolas no Complexo do Alemão e deixar o local sob forte tiroteio.

A Força Nacional chegou ao complexo de favelas às 8h50 e ocupou os acessos à Favela da Grota. Os soldados foram recebidos com explosões de bombas artesanais e responderam com disparos de fuzil. Ao mesmo tempo, a polícia entrou na Vila Cruzeiro, onde também houve confronto. O comércio foi parcialmente fechado e as aulas foram suspensas nas escolas próximas.

A polícia ocupou "mais de 20 acessos", nas palavras de Roberto Sá. Os policiais tinham mandados de prisão a cumprir e ordem judicial para desocupar três construções usadas como casamatas pelo tráfico. As casas não foram localizadas.

15 junho 2007

Disfarçados de mendigos para assaltar o comércio

Sérgio Soares – O Fluminense

Uma nova modalidade de roubo vem assustando os comerciantes da Zona Sul de Niterói. Passando-se por mendigos para não levantar suspeitas, os ladrões se deitam perto da entrada das lojas durante a noite e usam barras de ferro para arrombar as portas metálicas. Após saquear o estabelecimento comercial, os ladrões fogem com a mercadoria em sacos de lixo. Os policiais da 77ª DP (Icaraí) têm pelo menos quatro registros de roubo ocorridos de forma idêntica nos últimos dois meses.


Na madrugada deste sábado, o alvo foi uma padaria na esquina das ruas Gavião Peixoto e Otávio Carneiro, em Icaraí, de onde foram levados caixas de doces, biscoitos, pilhas, cigarros e isqueiros. O prejuízo foi de cerca de R$ 2,5 mil, segundo o gerente da loja, que pediu para não ser identificado, com medo de represálias. Ao abrirem a loja, às 5h30, os comerciantes viram que uma das portas laterais estava arrombada. Uma barra de ferro serviu para quebrar o trilho vertical usado para movimentar a porta. A peça de metal foi abandonada no local.


Estatística - Os comerciantes encontraram marcas de pés e mãos no interior da loja, que não estava revirada. Os criminosos, segundo o gerente, se preocuparam em levar objetos leves e pequenos. O funcionário registrou o caso na delegacia de Icaraí.

"É o terceiro roubo que sofremos desde janeiro. A situação é absurda", disse.


As últimas estatísticas divulgadas pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) em março mostram que a 77ª DP (Icaraí) lidera os casos de roubos a estabelecimentos comerciais em Niterói, com cinco casos, entre 17 registrados. Na 81ª DP (Itaipu) e na 78ª DP (Fonseca), foram registrados quatro casos. Completam as estatísticas a 76ª DP (Centro), com três ocorrências e a 79ª DP (Jurujuba), com um caso.


O tenente-coronel Jorge Luiz Alfaia, comandante do 12º BPM (Niteroí), informou que há algum tempo, os policiais da unidade já vinham recebendo informações sobre a suposta ação de falsos mendigos em furtos na cidade.


Segundo o comandante, além da intensificação das rondas para tentar identificar e prender os criminosos, está sendo estudada uma ação conjunta com a prefeitura para que os verdadeiros mendigos sejam recolhidos e encaminhados para abrigos.


Tentativa - Na manhã do dia 1º de maio, os funcionários de uma loja de aparelhos eletrônicos na Rua Gavião Peixoto, em Icaraí, se assustaram ao ver a porta do estabelecimento arrombada quando chegaram para trabalhar. Segundo vizinhos, dois homens foram vistos perto da loja durante a madrugada, deitados sobre um lençol. A dupla, no entanto, não conseguiu entrar no estabelecimento. A fenda aberta não permitiu a passagem dos dois. Os homens fugiram, deixando o pano na calçada. O caso também foi registrado por policiais da 77ª DP.

PRF adota novas técnicas para combater a violência nas estradas que cortam o Rio

Amanda Raiter – O Fluminense

Com intenção de coibir assaltos a ônibus e evitar a circulação de criminosos nas rodovias federais do estado, entre elas, a BR - 101, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) trouxe para o Rio, o treinamento de "Técnicas Policiais de Combate ao Crime", que permitirá uma utilização mais indicada para o quadro de violência nas estradas, devido à expectativa de ensinar, uniformemente, 350 policiais rodoviários. De acordo com a inspetora da Divisão de Combate ao Crime, Keilla Melo, os Jogos Pan-Americanos deram a oportunidade de especificar as situações.


O curso de 102 horas de aulas teóricas e práticas instrui os policiais nos quesitos abordagem, defesa policial, armamento e tiro, operações de controle de distúrbio (manifestações populares, com obstruções de pistas, entre outros), patrulha policial, segurança de autoridades e relações humanas. Entre os destaques, está a simulação de revista de passageiros de ônibus, que promete diminuir os roubos. Ao término do curso, os alunos põem em prática o treinamento, por dois dias, em operações de ambientação.


A inspetora acrescentou que agentes estão aprendendo a realizar operações com cães farejadores, para encontrar drogas.


Nesta segunda-feira, mais de 200 motocicletas passam a serem usadas pela PRF em atividades policiais.

Francês morre esfaqueado ao sair de restaurante nos Jardins

RACHEL AÑÓN
da Agência Folha

O francês Gregor Ervan Londoar, 35, foi morto a facadas no final da noite de domingo (10) nos Jardins, em São Paulo.


Segundo informações da polícia, Londoar, após deixar o bar Ritz --na alameda Franca--, um grupo de três ou quatro rapazes abordou a vítima. Um deles sacou uma faca e golpeou o francês por diversas vezes na região do abdome. O criminoso fugiu em seguida.


A vítima chegou a ser levada para o pronto-socorro do Hospital das Clínicas, onde morreu. Nada foi roubado de Londoar nem das pessoas que o acompanhavam.


Um policial do distrito onde o crime foi registrado informou que as testemunhas que acompanhavam Londoar haviam acabado de conhecê-lo. Ainda não há informações sobre parentes, se ele é residente no Brasil ou se estaria por aqui em viagem.


O caso foi registrado no 78º Distrito Policial (Jardins).

Falso delegado é preso suspeito de estupro

Com o Audi do pai e uma funcional de delegado adulterada, ele obrigava as vítimas a entrar no carro e as violentava, diz polícia

Rodrigo Damasceno Corteze é suspeito de violentar mulheres na região dos Jardins e Campo Belo; ele nega as acusações

DO "AGORA"

A polícia prendeu ontem um homem suspeito de violentar sexualmente mulheres na região dos Jardins e Campo Belo, bairros nobres de São Paulo.

Segundo a polícia, dirigindo um carro de luxo e com uma funcional falsa, ele fingia ser um delegado. Com uma pistola, ele obrigava as vítimas a entrar no carro. Duas mulheres o reconheceram, e a polícia acredita que existam mais casos. Ele, por meio de seu advogado, nega as acusações (ler texto ao lado).

Policiais do 7º DP, Lapa (zona oeste de SP), chegaram até Rodrigo Damasceno Corteze, 36, após denúncia de que um homem em um Audi azul, com placas DPM-2124, teria cometido um estupro na região do Campo Belo.

Os investigadores descobriram que, na madrugada de 19 de maio, uma recepcionista de 26 anos foi abordada no bairro por um homem em um Audi. Armado e mostrando a funcional de um delegado, ele a obrigou a entrar no carro e a agrediu com coronhadas e chutes. No veículo, ela diz ter sido violentada e depois deixada em uma avenida.

Como a polícia não encontrou nenhum Audi com as placas fornecidas na denúncia, surgiu, então, a suspeita de que uma das letras pudesse ter sido adulterada. "Ele mudava com uma fita isolante a letra C para D", explica o delegado Antônio Carlos Menezes Barbosa.

Segundo ele, as placas eram CPM-2124 e o Audi pertencia a um vendedor, de 63 anos, funcionário de uma grande empresa -o pai de Corteze.

"Começamos a desconfiar que algum parente do dono pudesse ter usado o carro e vimos que essa pessoa tinha um filho de 36 anos", diz Barbosa.

Os policiais conseguiram uma fotografia de Corteze e mostraram a recepcionista, que o reconheceu. Ele foi preso ontem em sua casa, no Ibirapuera.

Lá havia uma funcional com a foto dele, mas em nome de um delegado do Rio de Janeiro já falecido, um distintivo de delegado e um cartão de visitas com o timbre da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, além de uma pistola e munição.

"Vamos ver como ele conseguiu estes documentos", afirmou Barbosa.

Na manhã de ontem, Corteze foi reconhecido por outra vítima. "Queria ter dado um tapa na cara dele, por muitos que ele me deu", disse ela.

Mãe e filha ficam reféns em Campinas por quase 7 horas

MAURÍCIO SIMIONATO

DA AGÊNCIA FOLHA, EM CAMPINAS

Mãe e filha foram mantidas ontem reféns dentro de casa por dois assaltantes durante quase sete horas, na periferia de Campinas (95 km de São Paulo). Os criminosos se entregaram. Ninguém ficou ferido.

O crime começou por volta das 6h40, quando o aposentado José Geraldo Teixeira, 67, foi rendido pelos assaltantes ao sair da garagem de casa, no bairro Jardim Eulina. Teixeira alegou problemas cardíacos e foi libertado às 8h40. Em troca, os assaltantes exigiram que uma TV fosse ligada na garagem.

Em seguida, como condição para libertar as reféns -a aposentada Ibiraci Teixeira, 63, e sua filha, Fabíola, 27-, os homens ordenaram que uma emissora de TV local transmitisse o caso ao vivo.
Uma emissora entrou no ar por volta das 10h40 com uma notícia ao vivo sobre o crime, mas os assaltantes não libertaram as reféns imediatamente. Durante a negociação, segundo a Polícia Militar, os homens amarraram um falso explosivo na cintura de Fabíola.

Os assaltantes se renderam por volta das 13h20. Eles deixaram a casa usando Fabíola como escudo. "Eles não nos ameaçaram. Foram muito educados. Avisaram que entraram na casa errada. Eles já iam saindo quando a polícia chegou", disse Ibiraci.

No dia 28 de abril, um criminoso libertou uma mulher e dois filhos após mantê-los reféns por 56 horas no Jardim Campos Elíseos, na periferia de Campinas.

Ladrões fazem arrastão em seis casas no Morumbi

Condomínio fica em uma rua sem saída, a 200 metros do Palácio dos Bandeirantes, fechada por portão e com vigia

Segundo a polícia, grupo era formado por cerca de 15 criminosos, armados com metralhadoras; eles levaram 2 carros e dinheiro

PAULO DE ARAUJO
DA REPORTAGEM LOCAL - FOLHA DE SÃO PAULO

Um portão de ferro de 2,5 metros, guardado por um vigia, e a proximidade do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado, não foram suficientes para intimidar uma quadrilha de cerca de 15 homens que fizeram um arrastão em um condomínio de alto padrão no Morumbi (zona sul de São Paulo) na noite de quarta-feira.

Armados com metralhadoras e pistolas, os criminosos renderam o vigia, entraram no local - uma rua sem saída a 200 metros do Palácio dos Bandeirantes - por volta das 20h30 e invadiram seis das 20 casas, de acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública.

Um morador, que pediu para não ser identificado, conta que estava do lado de fora de casa quando o grupo já começava a ação a poucos metros dali. Tinha saído para tomar um vinho e não percebeu nada.

Minutos depois, quando a filha chegou do trabalho, entrou em casa acompanhada de alguns homens -ele não sabe precisar quantos.

Após cerca de 15 minutos, saíram levando muitas jóias e um laptop. "Alguns bandidos foram extremamente agressivos", conta o morador.

O vigia do condomínio, que também pediu para não ser identificado, relatou que foi rendido por um homem armado. "Abri o portão, como eles mandaram. Daí pra frente, não sei mais nada. Eles me obrigaram a ficar de cabeça abaixada e olhar para o chão."

Segundo o delegado do 34º DP, Irani Guedes Barros, ainda não é possível relatar como os ladrões entraram e saíram das seis casas sem ser percebidos. "Como 15 elementos andam por um condomínio e ninguém sabe quem é? Eles deveriam ter algum tipo de informação privilegiada.", diz o delegado.

Segundo a polícia, pelo menos uma família relatou ter sido trancada no quarto de empregada. Até ontem à noite, a polícia tinha recebido três queixas.

Após aproximadamente uma hora e meia, os criminosos fugiram levando dois carros, R$ 28 mil, US$ 40 mil, 10 mil, sete celulares, um notebook, além de roupas, celulares e jóias.

Para o morador ouvido pela Folha, embora a rua seja fechada com um portão e haja sempre um vigia, a segurança do local é uma "gambiarra". "Precisamos fortificar melhor, mas alguns condôminos não contribuem. Espero que esse susto os faça mudar de idéia."

14 junho 2007

Polícia flagra pescadores que tentariam roubar lancha da Petrobras em SG

Cláudio Emanuel

Uma lancha importada de 20 pés avaliada em torno de R$ 35 mil da Petrobrás foi recuperada, na madrugada desta terça-feira, por policiais do Grupamento Aéreo Marítimo (GAM) da Polícia Militar quando era rebocada por dois pescadores, em um barco pequeno, que seria de um deles. A lancha, segundo os policiais, estava atracada no píer do cais do Porto de Niterói. Os pescadores foram detidos na Ilha de Santa Cruz, na Praia das Pedrinhas, no Gradim, São Gonçalo.

Seguranças do Porto perceberam o roubo da lancha e avisaram aos policiais do 12º BPM (Niterói). Segundo os acusados, L.A.L.S., de 47 anos e R.L.S., de 33 anos, eles são pescadores e moram no Gradim.

Na 78ª DP (Fonseca) os pescadores foram autuados por assalto (Artigo 157) do Código Penal. O barco dos supostos pescadores foi apreendido por falta de documentação. A lancha da Petrobrás, motor de 115 HP, foi devolvida na manhã desta terça aos representantes da empresa. Os acusados foram transferidos para a carceragem da 76ª DP (Centro).

Casas são assaltadas em condomínio de Itaipu

Amanda Raiter – O Fluminense

A Região Oceânica de Niterói, novamente, foi alvo de assaltantes de residência, na manhã desta terça-feira. Três homens armados invadiram duas casas, no Condomínio Chakras, no Jacaré, em Itaipu, e mantiveram seis pessoas reféns por mais de uma hora.

O pedreiro E., de 27 anos, deparou-se com os bandidos quando abriu a porta dos fundos. Os criminosos o amarraram e além de levar eletrodomésticos e objetos do funcionário e do proprietário, que não estava na casa, arrumaram-se com as roupas do dono da residência e bebeu vinho.

Em seguida, os criminosos levaram E. à casa vizinha, onde renderam a empregada e o proprietário, o arquiteto R., de 41 anos, e mais dois pedreiros. Com o tumulto, o filho de cinco anos de R. acordou e foi obrigado a segui-los durante o crime.

"Nós ficamos com muito medo. Eles só não amarraram meu filho porque pedi muito. Queremos mais segurança para o nosso bairro, pois a situação está desconfortável", relatou o arquiteto.

Os invasores levaram aparelhos eletrônicos de ambas residências e fugiram no Fiat Palio placa LEW 1660 de R..

Perigo na região - No início do mês passado, cinco pessoas foram seqüestradas após assalto a uma residência no bairro do Cafubá, na Região Oceânica de Niterói. Pelo menos três assaltantes invadiram a casa e as vítimas – um homem, uma mulher e três crianças - foram mantidas reféns até o pagamento do resgate – cerca de R$ 4 mil. Um impasse sobre quem assumiria o caso acabou retardando o início das investigações.

Os homens invadiram primeiro uma casa, onde renderam a mulher e as três crianças. O vizinho acabou rendido ao tocar a campainha da casa onde os criminosos estavam. Segundo as vítimas, todos estariam encapuzados. Armados com pistolas, os criminosos mantiveram os reféns em um cômodo, enquanto reviravam a residência à procura de objetos de valor e dinheiro.

O delegado Márcio Zucareli, da 81ª DP (Itaipu), ouviu as vítimas e por acreditar que houve extorsão mediante seqüestro, repassou o caso ao delegado Fernando Moraes, da Delegacia Anti-Seqüestro. Contudo, ele anunciou que o caso ficaria na delegacia de Itaipu por ser um seqüestro-relâmpago – em que as vítimas ficam momentaneamente com os criminosos.

Confronto fecha Túnel Zuzu Angel

Bandidos da Rocinha matam agente federal durante tiroteio

O Dia

Rio - Um policial federal foi morto durante operação para tentar prender o traficante Saulo de Sá Silva, o Robinho, fornecedor de drogas da Favela da Rocinha. Marcelo Cardoso Castelhano, 33 anos, estava em um carro descaracterizado com mais três agentes do núcleo de capturas da Polícia Federal (PF). Eles foram atacados por traficantes e o tiroteio fechou o Túnel Zuzu Angel. Robinho conseguiu escapar.

À noite, policiais prenderam Marco Antônio Mendes de Araújo, 20, o Capacete, que estava com a pistola e o rádio do agente. Ele foi pego após embarcar em uma van, na Estrada da Gávea. O suspeito estaria tentando fugir da Rocinha, mas foi surpreendido por grande operação, que mobilizou 150 homens do 23º BPM (Leblon), Bope, PF e 15ª DP (Gávea). O aparato, com a presença de dois blindados, assustou muitos motoristas, que voltaram pela contramão. O trânsito no túnel foi novamente interrompido por cinco minutos. O comércio na região fechou por uma hora e meia.

O ataque aos policiais ocorreu na Via Ápia, entrada da Rocinha, às 13h30. Segundo policiais federais, Capacete se atracou com o agente e disparou duas vezes com pistola, atingindo-o no peito e na barriga. O policial morreu a caminho do Hospital Miguel Couto, no Leblon. O mototaxista Josué Vicente Ferreira, 46, foi baleado de raspão na mão direita. O confronto interrompeu as aulas num Ciep e 60 jovens de um projeto social foram dispensados mais cedo.

Juiz condena freira por abuso sexual

Vítima foi criança de 3 anos. Religiosa e colégio terão que pagar R$ 50 mil
O Dia

Rio - O juiz da 23ª Vara Cível do Rio, Alessandro Oliveira Félix, condenou freira e tradicional colégio religioso de São Cristóvão ao pagamento de indenização de R$ 50 mil por abuso sexual de criança de 3 anos. Os réus terão também de pagar todo o tratamento psicológico da vítima. Procurada por O DIA, a direção da escola não quis comentar a decisão.

O caso teria ocorrido entre os dias 10 de março e 5 de abril de 1989, quando houve registro na 17ª DP (São Cristóvão). Na época, a mãe informou na delegacia que desconfiara de vermelhidão na região genital da menina e que a questionara sobre o motivo. “A titia de óculos fez dodói”, teria dito a criança. Segundo a mãe, a garota contou que a freira a tocara.

Na sentença, proferida quinta-feira, o juiz reconhece que o caso se tornou bastante complexo. Um primeiro processo chegou a ser arquivado, com a desistência da família da criança, em 1997. A mãe, porém, alegou que quisera só mudar de advogado.

Segundo laudo do Instituto Médico-Legal (IML), não houve ação traumática nem ocorrera rompimento do hímen. O juiz observa na sentença que os relatos da criança demonstram, baseado em avaliação de especialistas, que ela teria vivenciado tudo o que contou. A freira negou que tivesse molestado a menina.

O magistrado ressalta ainda que a jovem, hoje com 21 anos, apresenta “alguns traços psíquicos como dificuldade de relacionamentos amorosos e instabilidade emocional que podem ser considerados sintomas de um abuso sexual”.

Homem é assassinado por motoqueiro em Irajá

Carla Marques – O Dia

Rio - Um homem foi assassinado com vários tiros na manhã desta quarta-feira, na Rua Alicínio Barcellos, esquina com Avenida Monsenhor Félix, em frente ao número 968, em Irajá, na Zona Norte. De acordo com testemunhas, o agressor estava em uma moto quando atirou na vítima. O 9º BPM (Rocha Miranda) já foi acionado, mas os policiais militares ainda não chegaram ao local.

Até aviões fogem de tiroteio

Batalha de traficantes mudou rota da ponte aérea. Jô Soares estava em uma das aeronaves

Andréia Lopes, Christina Nascimento e Fábio Dobbs – O Dia

Rio - A guerra do tráfico nos morros Chapéu Mangueira e da Babilônia, no Leme, alterou até a rota de aviões da ponte aérea Rio-São Paulo. Sexta-feira, registro feito no livro de ocorrência da torre de controle do Aeroporto Santos Dumont, no Centro, revela que pilotos mudaram o percurso das aeronaves devido ao intenso tiroteio na Zona Sul. Em um dos vôos estava o apresentador Jô Soares. É a primeira vez que esse desvio é feito devido à violência, segundo a Infraero.

O humorista contou sobre a mudança do trajeto em seu programa, da Rede Globo, que foi ao ar ontem de madrugada. Ele saiu às 19h25 do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, num Boeing 737, da Gol, que tinha chegada prevista para 20h15. Jô Soares veio ao Rio para apresentar um espetáculo. “O avião atrasou 30 minutos porque teve que contornar o Leme em virtude de um intenso tiroteio”, comentou ele, no programa, quando entrevistava o deputado federal Onix Lorenzoni.

A Infraero confirmou que houve mudança de rota e que a alteração ocorreu a pedido do piloto daquele vôo, que teria ficado assustado após ler notícias sobre o confronto nas duas favelas.

O órgão, no entanto, nega que outros aviões tenham mudado o percurso aéreo, apesar do registro no livro da torre. Segundo o livro, “aeronaves para pouso na pista 02 (Enseada de Botafogo), devido ao tiroteio próximo ao Leme, tiveram que pousar por Niterói”.

O medo é porque, ao fazer a curva para chegar ao aeroporto, antes da Enseada de Botafogo, o avião ficaria exposto ao tiroteio. “Os tiros vindos do Leme poderiam atingir a aeronave. Ao girar em Botafogo, a fuselagem fica virada para Copacabana”, explicou um controlador de vôo do Santos Dumont.

Na rota alternativa, os aviões passam pela Ponte Rio-Niterói. A desvantagem é que o piloto não tem visão total da pista, que fica à direita do co-piloto. Por isso, a rota é pouco usada, apesar de não apresentar risco para passageiros.

Ontem, Jô Soares se negou a comentar o assunto, alegando que não queria estender a polêmica. A empresa Gol disse que somente hoje falaria sobre o episódio.

Sexta-feira, a troca de tiros entre quadrilhas rivais do tráfico aterrorizou a região — até balas traçantes puderam ser vistas.

PÂNICO PROVOCADO PELA DISPUTA ENTRE FACÇÕES

Ontem, o dia foi de trégua nas favelas do Leme. Desde terça-feira da semana passada, moradores do Chapéu Mangueira e da Babilônia viveram momentos de pânico. Traficantes rivais da Rocinha e do Vidigal, controlados pela facção Amigos dos Amigos do Lulu (ADALL), invadiram as duas comunidades e expulsaram integrantes do Comando Vermelho (CV).

O bando chegou em vários carros e numa van branca e impôs toque de recolher aos moradores. Creches e escolas da comunidade chegaram a fechar. Um ex-pára-quedista que atua no tráfico da Rocinha teria participado do ataque.

Uma dona-de-casa contou que os traficantes picharam paredes das casas com o nome das favelas de onde vieram e teriam a obrigado a cozinhar e a lavar roupas para eles durante três dias.

Há informações de que os invasores teriam fugido pela mata e saído por uma vila da Avenida Princesa Isabel, em Copacabana.

Dois furos em outra aeronave

O apresentador Jô Soares contou ainda, em seu programa, que uma aeromoça disse que, dois dias antes — quarta-feira —, outro vôo da ponte aérea foi suspenso porque havia dois furos provocados por projéteis na fuselagem do avião. Os danos teriam sido constatados durante inspeção externa da aeronave. “Quer dizer: se pega no tanque de combustível, babau o avião”, ainda tentou descontrair o humorista, sem citar em qual empresa teria acontecido o episódio.

A Infraero afirma desconhecer o caso. A Gol diz que nenhuma das suas aeronaves foi alvo de tiros. A TAM nega que o fato tenha ocorrido com seus aviões.

Sobre a mudança na rota do avião onde viajava Jô Soares, o presidente do Sindicato Nacional dos Controladores de Vôos do Rio de Janeiro, Jorge Botelho, é enfático: “É possível que tenha acontecido para desviar de tiroteio”. A Aeronáutica afirmou que a torre de controle do Santos Dumont é de responsabilidade da Infraero e que aguarda informações do órgão para apurar o caso.

Nos Jogos Pan-americanos, divirta-se com segurança

Larry Rohter – The New York Times
No Rio de Janeiro


A Copa do Mundo teve suas finais já há quase um ano e as próximas Olimpíadas estão ainda a um ano de distância e irão ocorrer do outro lado do mundo. Mas para os amantes do esporte ligados em competições internacionais há uma oportunidade agora em julho: os quadrienais Jogos Pan-Americanos vão acontecer no Rio de Janeiro, Brasil.

Dia 13 de julho, uma elaborada cerimônia de abertura no estádio de futebol do Maracanã, na proletária zona norte do Rio, contará com 7.000 bailarinos e será dirigida pelo coreógrafo Doug Jack - que já realizou espetáculos similares para as últimas quatro Olimpíadas.

Durante os 16 dias, mais de 5.500 atletas representando 42 países e colônias do hemisfério ocidental estarão competindo em mais de 30 esportes, que vão do basquete, boxe e natação ao hóquei de quadra, boliche e esgrima. Só a delegação dos Estados Unidos terá mais de 600 atletas, muitos dos quais portadores de ambições olímpicas, sendo que Porto Rico irá enviar uma delegação em separado, com 240 atletas. A competição irá terminar dia 29 de julho, também no Maracanã.

Abrigada entre montanhas verdejantes e um mar azul-celeste, o Rio sem dúvidas é uma cidade deslumbrante para os Jogos, e mais de U$ 1,5 bilhão foi investido na preparação da competição, o que inclui o novo estádio João Havelange, para 45.000 pessoas. Mas por mais hospitaleira que a cidade possa ser isso também pode trazer problemas para os visitantes, especialmente no que diz respeito à segurança.

Não é segredo que o Rio é uma cidade assolada pelo crime e bastante violenta, de forma crescente - bandos fortemente armados que controlam os guetos nos morros chamados de favelas tornam-se cada vez mais ousados em seus ataques e ameaças, até mesmo nos bairros mais elitistas da cidade.

As autoridades brasileiras procuraram diminuir as preocupações quanto à segurança e à possibilidade de ação terrorista durante os Jogos com a promessa de patrulhamento intensivo por unidades tanto da polícia quanto das forças armadas. Elas lembram que 1992, quando as Nações Unidas promoveram uma conferência global sobre meio ambiente no Rio, o encontro ocorreu sem incidentes, apesar das previsões de uma onda de criminalidade.

Para os Jogos Pan-Americanos, o Rio contornou a questão de segurança ao planejar a realização de dois terços das provas numa área não muito populosa, distante das regiões mais perigosas da cidade.

Mesmo assim, onde quer que você esteja no Rio vale a pena tomar cuidado e tomar certas precauções básicas quanto à segurança. Não ostente jóias nem câmeras caras ou equipamento de vídeo, principalmente na praia. Para os que não falam o português também é recomendável se locomover em grupos e não sozinho, de preferência na companhia de um guia local ou de um tradutor.

Um cuidado especial deve ser tomado em relação às competições de futebol e atletismo previstas para o estádio João Havelange. As vias de acesso ao estádio despontam como um problema em potencial, especialmente quando as competições terminarem à noite. O estádio fica próximo de uma via - a Linha Amarela - onde freqüentemente ocorrem assaltos e também tiroteios entre a polícia e as gangues, e outras rotas passam por bairros que muitos moradores do Rio preferem evitar à noite.

A locomoção pela cidade também promete ser mais complicada que o normal. A proposta inicial de candidatura do Rio de Janeiro incluía uma promessa de se melhorar o sobrecarregado tráfego municipal com uma grande reforma que incluiria duas novas linhas de metrô e um serviço de barcos que iria do centro da cidade até estações na zona oeste, próximas aos principais locais de competição.

Mas nenhum desses projetos chegou a decolar, em grande parte devido a disputas entre os governos municipal, estadual e federal, e até mesmo a criação de algumas novas linhas de ônibus foi descartada. Como o espaço para estacionamento também é escasso, os organizadores dos jogos estão fazendo tudo o que podem para desestimular o uso de carros particulares em direção aos locais de competição. Isso faz com que os ônibus e dispendiosos táxis sejam as formas mais viáveis de transporte.

A maior parte dos melhores hotéis do Rio de Janeiro está em bairros como Ipanema e Copacabana, distante da maioria dos eventos. Mas uma maneira de poupar tempo e os gastos na viagem é ficar num hotel na confortável região da Barra da Tijuca, que cresce rapidamente e é o bairro mais próximo da maioria das competições. Muitos hotéis foram construídos por lá nos últimos anos, incluindo um Sheraton, e no final de maio alguns deles ainda tinham quartos disponíveis para alguns dias de julho.

Reservas podem ser feitas, é claro, através de um agente de viagens no Brasil ou no exterior. Mas o site oficial dos jogos, www.rio2007.org.br, também proporciona esse serviço, junto com mapas e outras informações úteis.

As autoridades municipais tentam aplacar as preocupações quanto a engarrafamentos ou escassez de ônibus durante as duas semanas de competição - argumentam que julho é o auge do período de inverno no Brasil e sustentam que muitos cariocas, como os nativos da cidade são conhecidos, estarão fora da cidade, reduzindo, dessa forma, a demanda no sistema de transportes.

Além disso, segundo as autoridades haverá faixas expressas nas vias para facilitar o acesso aos eventos. Por outro lado, os céticos dizem que as férias de inverno historicamente geram a chegada à cidade de muitos visitantes, em busca de passeios e eventos culturais.

Quanto aos ingressos, cerca de dois milhões podem ser comprados no site dos Jogos, que tem versões em inglês, espanhol e português. Os preços variam de 10 a 120 reais, entre U$ 5 a U$ 60 com o dólar valendo 2 reais, dependendo do esporte e da localização dos assentos (para as cerimônias de abertura e encerramento chegarão a custar 150 e 250 reais); as compras devem ser feitas com cartões de crédito Visa. Para restringir a ação dos cambistas, cada pessoa só poderá comprar até seis ingressos por jogo ou sessão.

Segundo os organizadores, os ingressos também estarão à venda em bilheterias do Rio a partir de 1o de julho. Um número limitado de passes diários também deverá estar à disposição nessas cabines, permitindo aos torcedores o ingresso em vários eventos num mesmo dia por 20 reais.

Os ingressos mais disputados, claro, serão aqueles para os esportes mais populares entre os brasileiros, que devem ocupar a maior parte dos assentos. Sendo assim prepare-se para desembolsar muito dinheiro se quiser ver os principais jogos de futebol - todas as partidas do esporte serão jogadas ou no Maracanã, palco da final da Copa do Mundo de 1950, ou no estádio João Havelange - e os principais jogos de basquete e vôlei.

Mas os admiradores do futebol que também quiserem ver as quatro principais equipes profissionais do Rio durante os Jogos Pan-Americanos terão que sair da cidade. Essas equipes têm jogadores espetaculares que contribuíram para as cinco conquistas brasileiras de copas do mundo, um recorde. O mais notável é Romário, estrela da copa vencida nos Estados Unidos. Mas os times locais foram proibidos de sediar partidas durante os Jogos Pan-Americanos, para não dispersar a atenção em relação à competição.

Já com o beisebol a história é diferente. Como os brasileiros não conhecem o esporte, as partidas serão disputadas num estádio temporário que tem menos de 5.000 lugares. Mas o nível da competição deverá ser elevado, com a participação de fortes equipes da República Dominicana, Venezuela, Porto Rico, México e principalmente de Cuba, em busca da medalha de ouro e do direito de se dizer o melhor do hemisfério, que vem junto com o prêmio.

O mês de julho tecnicamente indica que é inverno no Brasil, mas a promessa é de clima ameno. Nos últimos anos, em julho e agosto no Rio de Janeiro ocorreram temperaturas elevadas fora da época (com as máximas entre 21 e 26 graus), e em alguns dias da estação as famosas praias da cidade ficaram lotadas. Isso quer dizer que há boa possibilidade de outra opção recreativa para os turistas, se seu time for eliminado ou estiver de folga na competição.

Tradução: Marcelo Godoy